01/12/13

Você conhece a CERNlândia?

CERNlândia, o site do CERN projetado para crianças, lançou um novo ambiente de jogo dedicado ao universo. Se você tem entre 7 e 99 anos e gosta de desafios, embarque em uma viagem através da história do Universo e torne-se viciado nesse jogo (muito saudável!

Benvindo a bordo da CERNlandspaceship!
Quinze jogos, uma redação e um ambiente de jogo totalmente novos sobre a evolução do Universo: desde o seu lançamento oficial em 2009 para marcar o 20º aniversário da invenção da Web, a CERNlândia não parou de crescer .
Na CERNlândia , os jogos podem ser acessadas clicando em pontos correspondentes aos locais de experimentação ou em edifícios específicos no site do CERN. Tudo na CERNlândia é animado e interativo, mesmo os tópicos de ensino ("aprender" ), onde o jogador pode encontrar mais explicações detalhadas. Um zoom-in leva você para o site do CERN , enquanto um zoom-out coloca você a bordo de uma nave espacial levando você para as fronteiras do Universo.

Cada personagem único na CERNlândia é especialmente concebido e desenhado para o site, e a programação por trás das animações reproduz com precisão os processos específicos de física nos quais o jogo se baseia. Mas não pense sobre tudo isso. CERNlândia deve ser apreciado sem pensar muito em física . Permita-se sentir como uma criança novamente e começar a jogar. Uma nave espacial bonita está agora lá para recebê-lo a bordo. Não se esqueça de verificar o diário de bordo da viagem de vez em quando e tentar chegar ao Big Bang mais rápido do que os outros!

Pais não devem escolher escola só com base no Enem, diz pesquisador

A posição de uma escola no ranking do Enem não deve ser o principal fator considerado pelos pais ao decidir onde matricular os filhos.
A opinião é de José Francisco Soares, professor de educação da Universidade Federal de Minas Gerais.
Para ele, há muitas escolas que tentam se apropriar da importância preponderante da família para o desempenho dos alunos.
De acordo com Soares, "os fatores que estão fora da escola respondem por mais de 70% do desempenho" dos estudantes.
 
Folha - O Enem deve ser usado para comparar escolas?
José Francisco Soares - Eu acho que os resultados da Prova Brasil, do Enem são importantes porque mostram que há alunos que aprenderam e outros que não aprenderam. Esse retrato é muito importante. Entretanto, o que não é correto é você atribuir apenas à escola o bom desempenho do aluno. Não é correto a escola não reconhecer a importância da família.
Folha - Suas pesquisas mostram que as características pessoais e da família respondem por fatia grande do desempenho dos alunos, certo?
J F S - Exato. O que a criança leva de casa é muito mais determinante do que o que a escola consegue acrescentar. Quem não tem uma boa escola pode não avançar. Mas as escolas não podem riscar a contribuição das famílias. Os números e os resultados variam, mas se você pega o aluno sem fazer nenhuma consideração, os fatores que estão fora da escola respondem por mais de 70% de seu desempenho.
Folha - Se uma criança de família com alta escolaridade for para uma escola ruim, terá o mesmo resultado do que se tivesse ido para uma escola boa?
J F S - Não, porque também importa com quem essa criança vai conviver. Se ela fosse para uma escola pública de baixa qualidade, não perderia seu capital cultural, mas, como iria conviver com pessoas que levam menos, seus resultados seriam puxados para baixo. Ou seja, a contribuição do grupo de alunos para o desempenho de um deles também é relevante.
Parte do sucesso das escolas que ficam muito bem nos rankings não é o sucesso pedagógico. É o sucesso na atração do aluno com grande potencial de aprendizagem.
Folha - E qual fator pesa mais?
J F S - Essas escolas são melhores no marketing do que pedagogicamente. Isso não quer dizer que não sejam boas pedagogicamente. Elas têm tudo muito bem estruturado, coordenador pedagógico que sabe o que está falando, professores muito qualificados. Isso tudo é correto, mas não elimina a enorme vantagem que ela tem por ser bem-sucedida na seleção dos alunos.
A crítica ao ranking é que ele elimina algo que está na escola, mas veio da família e de que a escola se apropriou indevidamente.
Folha - O que a família deve buscar dentro de suas possibilidades? Como deve escolher a escola dos filhos?
J F S - A primeira coisa é que ela perceba que tem muitas opções. A posição das escolas nos rankings é importante, mas não é o elemento que deve predominar. Em primeiro lugar, porque a diferença de desempenho entre as boas escolas é muito pequena.
Além disso, a condição em que algumas dessas escolas se encontram é fruto de políticas detestáveis, que não são educacionais. A política de você atrair só o bom aluno é detestável socialmente.
A outra coisa que precisa ser considerada é que, obviamente, há muitos alunos acima assim como muitos alunos abaixo da média da escola. Acho que é importante que a família procure saber que notas tiraram os alunos da escola que têm os piores resultados.
Folha - Com essa informação, você consegue se perguntar: e se meu filho for pior nessa escola?
J F S - As escolas que vão bem nos rankings colocam um foco muito grande no desempenho dos alunos?

Sim, essas escolas só veem o desempenho do aluno. Seria importante que olhassem outras competências. E os pais precisam saber o que querem para a educação dos filhos. Se a família quer que o filho tenha um sentimento de empreendedorismo, uma escola com foco muito grande em desempenho pode ser ruim para essa dimensão.
(Jornal da Ciência 4865, de 29 de novembro de 2013

Copa do Mundo altera calendário escolar da rede estadual em 2014

A Copa do Mundo do Brasil, que vai ser disputada entre os dias 12 de junho e 12 de julho, vai alterar o calendário escolar da rede estadual de ensino em 2014. Por conta do evento esportivo, as férias escolares do meio do ano, que tradicionalmente ocorrem durante o mês de julho, acontecerão no período de 12 de junho a 27 de junho. Na primeira fase da Copa não haverá aula na rede estadual de ensino nos dias em que o Brasil jogar. Nas demais fases só não terá aula se o Brasil for classificado.
Se qualquer pequeno acontecimento é suficiente para deixar os alunos da Rede Pública sem aula, imagina o maior evento esportivo do País...
O ano de 2014 promete ser um ano difícil para a Escola. Além da Copa, é ano de eleição para presidente e governador e sabe Deus o que eles vão aprontar, uma vez que essa é a única época em que os políticos pensam em fazer algo pela Educação.

Quer ver o calendário do ano que vem? Acesse o link CALENDÁRIO.

11/10/13

Eighty-one

Meninas, não se esqueçam do nosso pic-nic.
Coloquem nos comentários o que combinamos.
Dia 23, até lá!!!

10/10/13

A Pós-Modernidade na Escola

Por que termos como Naruto ou Michael Jackson são mais procurados na internet do que Isaac Newton ou Einstein? Por que adolescentes e jovens gastam muuuito mais tempo nas redes sociais do que em pesquisas escolares e/ou científicas? Penso que o mundo vai mal da cabeça e está indo em uma direção muito perigosa.
Os ganhadores do prêmio Nobel de Física desse ano de 2013 têm mais de 80 anos. Outros ganhadores também já ultrapassaram a faixa dos oitenta. Daqui a dez anos, essa galera que curte cosplay estará na idade de encarar o mercado de trabalho. Jogadores inveterados de video game, torcedores fanáticos de futebol e essa rapaziada que enche a cara de vodka com energético também.
Tudo isso fica bem claro quando a gente entra numa sala de aula de terceiro ano do Ensino Médio, às vésperas do ENEM, e vê a galera curtindo um desânimo contagioso.
Juventude sempre foi sinônimo de ânimo, de energia inesgotável, de transformação e mudanças. Cadê esses jovens? Onde estão aqueles que já entenderam que se não se prepararem com afinco serão facilmente trocados por uma máquina e amargarão a falta de trabalho quando estiverem na fase da vida mais produtiva?